Brincando de médico

Alguns comportamentos de crianças pequenas – de até seis anos, mais ou menos – têm preocupado muitos seus pais e professores. É um tal de a professora e/ou coordenadora da escola chamar os pais para conversar – reclamar, melhor dizendo -, sugerir um tratamento ou encaminhar a criança a um especialista que não tem fim.
O que a escola quer é pedir alguma providência dos pais para que o comportamento não persista no espaço escolar, mas o que consegue mesmo é deixá-los em estado de atenção e tensão.
É quase um vale-tudo nessa área: vale criança irrequieta, criança que faz birra, criança imatura – céus, o que é isto? – criança que briga, criança passiva, criança que ainda não fala, que troca letras, que não para de falar, criança que berra, que briga, que morde etc e tal.
Todos esses comportamentos são típicos de crianças dessa idade e, na maioria dos casos, apenas exigem atitudes educativas diversas, nada mais.
Mas, em tempos de medicalização da vida e da educação, acreditamos que eles exigem atenção profissional especializada e ficamos tentados a diagnosticar e a usar com rigor a cartilha do que é e do que não é normal.
Hoje, quero conversar a respeito de um tipo desses comportamentos ou brincadeiras das crianças, que ocorrem tanto na escola quanto em casa, e que eleva a preocupação dos pais a mil, com direito a luz vermelha piscante e sirene.
São comportamentos ou brincadeiras que, de algum modo, remeHá pais e escolas que perdem o bom senso quando testemunham brincadeira de médico ou de ‘papai-mamãe’ tem à sexualidade.
Há pais e escolas que perdem o bom senso quando testemunham brincadeira de médico ou de “papai-mamãe”, por exemplo, ou flagram crianças abraçando e/ou beijando, na boca, inclusive, outras crianças —esta situação fica pior quando elas são do mesmo sexo— e mostrando ou querendo ver os genitais dos colegas.
É que, em tempos de ”O Desaparecimento da Infância” —título de um livro de Neil Postman—, olhamos para as crianças e as vemos a nossa imagem e semelhança, ou seja, entendemos que o sentido do que elas fazem é o mesmo sentido que o dos adultos, que elas ainda não são.
Não. Crianças dessa idade brincam assim e agem desse modo porque estão descobrindo o corpo e suas sensações —de prazer, inclusive— , porque são curiosas e já viram adultos fazerem algo semelhante.
Precisamos reconhecer: além de essa fase ocorrer naturalmente na vida das crianças, com diferenças porque elas não são iguais, os mais novos vivem num tempo em que o erotismo as rodeia intensamente.
Desse modo, beijar na boca, inclusive colegas de mesmo sexo, simular o ato sexual, que eles entendem à maneira deles, e tirar a roupa para os colegas ou pedir que eles façam isso, em geral são comportamentos que eles já tiveram a oportunidade de ver, mesmo de relance, e que os interessou.
Mas não da mesma maneira que isso interessa aos adultos.
Todas essas brincadeiras e comportamentos das crianças não devem alarmar os pais, não precisam ser motivo para preocupações. Basta fazer a contenção necessária, quando for o caso, sem repreensão, recriminação ou discurso moral.
E quando a escola chama os pais para falar a esse respeito do filho, é bom perguntar quais atitudes educativas lá se pratica a esse respeito. Se ela não tiver um sólido projeto a respeito, aí sim, os pais têm motivo para se preocupar.
Com a escola, e não com o filho.

Rosely Sayão – Folha de São Paulo (cotidiano) terça-feira, 1º de abril de 2014